Frases para pensar

A escolha é clara: ou não fazemos nada e permitimos que um futuro miserável e provavelmente catastrófico nos alcance, ou usamos nosso conhecimento sobre o comportamento humano para criar um ambiente social no qual poderemos viver vidas produtivas e criativas, e fazemos isso, sem pôr em risco as chances de que aqueles que se seguirão a nós serão capazes de fazer o mesmo.
(Skinner, B.F. 1978)

“Podem rotular como infantis necessidades particulares que, na verdade, deveriam ser enaltecidas como humanas, pois não existe maturidade sem uma negociação adequada com o infantil e tampouco um adulto que, regularmente, não anseie ser confortado como uma criança.” ( Alain de Botton [2011], Religião para Ateus, p.145).

“Uma nação pode sobreviver aos idiotas e até aos gananciosos. Mas não pode sobreviver à traição gerada dentro de si mesma. Um inimigo exterior não é tão perigoso, porque é conhecido e carrega suas bandeiras abertamente. Mas o traidor se move livremente dentro do governo, seus melífluos sussurros são ouvidos entre todos e ecoam no próprio vestíbulo do Estado. E esse traidor não parece ser um traidor; ele fala com familiaridade a suas vítimas, usa sua face e suas roupas e apela aos sentimentos que se alojam no coração de todas as pessoas. Ele arruína as raízes da sociedade; ele trabalha em segredo e oculto na noite para demolir as fundações da nação; ele infecta o corpo político a tal ponto que este sucumbe. Deve-se temê-lo mais que a um assassino.”

Cícero, tribuno romano (42 a.C)

“Delicadeza”

“Nem tudo o que escrevo resulta numa realização, resulta mais numa tentativa. O que também é um prazer. Pois nem em tudo eu quero pegar. Às vezes quero apenas tocar. Depois o que toco às vezes floresce e os outros podem pegar com as duas mãos.”

(Clarice Lispector)

“É o amor que nunca se recebe como um fato dado, que sempre pertence à dimensão do milagre.”

(Ernesto Sabato [2008]. A resistência. Companhia das Letras: São Paulo (publicação original em 2000)

“A melhor maneira de lidar com a dor é desenvolver a generosidade” 

(H. J. Guilhardi)

Jamais diga “não” a um desafio; ele pode ser SD, S∆ ou SDpun. Em qualquer uma das alternativas, ao se comportar, você estará desenvolvendo e refinando seu repertório comportamental.

(Hélio J. Guilhardi, maio/2012)

O pronome eu falsamente autoriza acreditar que o enunciado define o enunciador.

(Hélio José Guilhardi, janeiro/2011)

“O sentimento de pena tem subjacente outros dois sentimentos: sensibilidade à dor do outro (‘sofro pela dor dele’); e impotência  para minimizar a nossa dor (‘a dele e a minha’).”

(Hélio José Guilhardi)

Na vida, não há certo; não há errado. Há o possível. O desenvolvimento pessoal amplia o possível.

(Hélio J. Guilhardi, junho/2009)

“É ingênuo supor que saber amar é intrínseco ao ser humano, e pensar assim reduz as relações de amor ao seu nível mais primitivo. A capacidade para amar e para desenvolver relações de amor, essa sim é intrínseca ao humano. Mas ter potencial não é o mesma que desenvolver e atualizar tal potencial. Reconhecer que o repertório de amar – que inclui atos e sentimentos unidos de forma inseparável – é aprendido não empalidece seu valor e profundidade. Tal reconhecimento o eleva ao status de uma extraordinária aquisição humana.”

(Hélio J. Guilhardi – 25/11/2008 – Jornal virtual “Sinal Verde”)

“A inveja da liberdade germina opressores.”

(Hélio José Guilhardi, out./2008)

“Só existe diálogo quando há uma interação equilibrada entre controle e contracontrole. Se não houver equilíbrio, haverá opressão, submissão ou indiferença.”

(Hélio J. Guilhardi – 10.05.2008)

“É um princípio sóbrio: respeite a natureza, use-a a seu favor, não capitule diante dela, não ceda, mas encontre nela própria a resposta para seus objetivos. Usando uma metáfora: ataque contingências com contingências…”

(Hélio J. Guilhardi – 11.04.2008)

“No processo terapêutico não importa mudar a vida das pessoas rapidamente, mas fazê-lo bem e para o bem.”

(Hélio J. Guilhardi – 11.04.2008)

“A vida se esvai ao longo de um contínuo. Num extremo, o organismo pára de funcionar e não há mais como se comportar; no outro, o organismo pára de se comportar e não há mais razão para funcionar. A Análise do Comportamento tem a ver com a vida no que concerne à competência que tem para manter o organismo se comportando.”

(Hélio J. Guilhardi – 26/03/08)

”Não acredite em promessas. São comportamentos verbais sob controle de contingências de reforçamento atuais (em geral, coercitivas) e se referem à emissão de comportamentos futuros, em ocasião na qual estarão operando outras contingências de reforçamento. Apenas as contingências de reforçamento presentes evocarão os comportamentos contidos nas promessas; nunca as intenções de quem promete, por melhores que sejam (no momento) as intenções de tal pessoa.”

(Hélio José Guilhardi)

“Skinner não propõe um novo Homem. A concepção skinneriana de homem não priva o ser humano de nenhuma de suas características, nem de seus potenciais para se tornar um ser consciente e apto para sentir e realizar. Propõe, porém, um novo paradigma para compreendê-lo, o qual se inspira no modelo darwiniano de seleção dos comportamentos pelas suas consequências. As realizações humanas se dispõem sob a influência de três níveis de seleção: o natural, próprio da espécie; o operante, específico da história de desenvolvimento de cada um; e o cultural, elaborado pela comunidade sócioverbal à qual a pessoa pertence.”

(Hélio José Guilhardi)

“Curiosidade é buscar o máximo no mínimo; criatividade é fazer o máximo com o mínimo.”

(Hélio J. Guilhardi – 20.12.2012)

“Só somos verdadeiramente destruídos por aquilo que não controlamos quando alimentamos em nós a ilusão de que tudo controlamos.”

(João Pereira Coutinho, 14/12/2010, Folha Ilustrada, p. E8)

“Por que amar, se perder dói tanto?

A dor que sentimos pelas pessoas que amamos faz parte da felicidade que tivemos. Porque ambas são a condição de ambas.”

(João Pereira Coutinho, A Definição do Amor, em Folha Ilustrada, 05/12/2007, p.E2)

“… a vida é um acúmulo de pequenos erros e muito do seu brilho está no desejo de acertar.”

José Geraldo Couto, em Folha Ilustrada, 24/01/2008 p. E1

“O mais importante dos Dez Mandamentos diz: não matarás! Ele contém quase a totalidade da ética. O modo, por exemplo, como Schopenhauer formula a ética é apenas uma extensão desse, que é o mais importante mandamento. A ética de Schopenhauer é simples, direta, clara. Ele diz: Não faças mal a ninguém, mas ajuda a todos, da melhor forma que puderes.”

(Karl R. Popper [2006]. Em busca de um mundo melhor. Livraria Martins Fontes Ltda.: São Paulo, pp. 243-244)

“Não sou homem de muitas esperanças, mas tenho algumas poucas.”

Luis Felipe Pondé, Folha de São Paulo, 15 de setembro de 2008, E7.

“A sobrevivência psicológica é uma espécie de talento distribuído desigualmente entre os seres humanos.”

(Marcelo Coelho, Mentiras e Verdades de Coutinho, em Folha Ilustrada, 05/12/2007, p.E10)

-Amargura e tédio são os grandes males contemporâneos?

O desgosto pede a sua contraparte. Este sentimento de perda e de desorientação será certamente temporário. Vão nascer o gosto, a esperança e novas utopias serão criadas. Faz parte da condição humana criar essas narrativas carregadas de futuro.

(Mia Couto, escritor moçambicano, em entrevista ao O Estado de S. Paulo, 05/11/2012)  

“Quando imagino se tivesse nascido num meio intelectual! Teria necessitado de erros para livrar-me dos preconceitos e ver as coisas como elas são. E talvez tivesse ficado com mãos desajeitadas.”

(Pierre-Auguste Renoir – citado por Feist, Peter H. [2005] Renoir, Taschen, p.7)

“Quando contemplamos as obras dos antigos realmente não temos razão para nos sentirmos muito inteligentes. Mas que formidáveis trabalhadores foram estes homens acima de tudo. Pintura não é sentimentalismo. É primeiramente um trabalho normal, e é necessário trabalhar com habilidade.”

(Pierre-Auguste Renoir – citado por Feist, Peter H. [2005] Renoir, Taschen, p.10)

“Para mim um quadro tem de ter algo amável, agradável e lindo. Sim, tem de ser lindo. Há demasiadas coisas desagradáveis no mundo, de forma que não é necessário produzir mais.”

(Pierre-Auguste Renoir – citado por Feist, Peter H. [2005] Renoir, Taschen, p.32)

“De fato, num certo sentido, os gregos realmente inventaram a razão e isso quer dizer que eles inventaram uma nova forma de conhecer, de perscrutar o mundo. Inventar a razão quer dizer, em última instância, inventar ferramentas para conhecer a realidade.”

(Regina Schöpke, Jornal O Estado de São Paulo, Caderno Cultura, p.D4, 12/08/2007)

“Na verdade, impressionados com a transitoriedade das coisas, como os ciclos e com essa espécie de ‘guerra dos contrários’ (o dia e a noite, o quente e o firo, a vida e a morte …), os primeiros filósofos foram em busca de uma base comum de onde tudo tiraria sua gênese e para onde tudo retornaria. Esse é o verdadeiro sentido do monismo grego. Eles chamavam a isso de o ‘sempre novo’ e ‘imortal’, algo que certamente confundiu as mentes mais metafísicas, que julgavam tratar-se de um princípio imaterial ou espiritual.”

(Regina Schöpke, Jornal O Estado de São Paulo, Caderno Cultura, p.D4, 12/08/2007)

“Triunfar sobre a natureza e sobre si mesmo, sim. Mas sobre os outros, nunca.”

(Skinner, B.F. 1948/1968. Walden Two, p.103)

“I’m a great believer in luck, and I find the harder I work, the more I have of it.”

“Acredito muito na sorte e percebo que, quanto maior o afinco com que trabalho, mais sorte tenho.”

(frase atribuída a Thomas Jefferson)

“”Não há atividade mais subversiva do que o pensamento. Nem mais temida, nem mais difamada, e isto não se deve ao acaso: o pensamento é político… Daí a luta insidiosa, cada vez mais eficaz, hoje mais do que nunca, contra o pensamento. Contra a capacidade de pensar.”

(Viviane Forrestier, L’horreur économique; retirado do prefácio do livro “ECOCIVILIZAÇÃO, Ambiente e direito limiar da vida”, de Plauto Faraco de Azevedo – doutor pela Université Catholique de Louvain, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo, 2005)