Diálogo com a comunidade - Jornal Sinal Verde

um canal de comunicação com a comunidade

Volume 19 - 05/09/08

Edições Anteriores



IMPRIMIR


Perguntas dos leitores:

Tire suas dúvidas. Mande-nos suas sua pergunta!
Este é um espaço para vc fazer perguntas, esclarecer suas dúvidas e curiosidades. Mande sua pergunta para nós!

Envie sua pergunta:clique aqui

Jornal - Sinal Verde
Como faço para perceber se uma pessoa está precisando de uma ajuda do psicólogo? (pergunta enviada por, Ailla Daiani - Camaçari-BA)

O critério que define ou não a necessidade de ajuda do psicólogo é, na maioria dos casos, o sofrimento. Pode haver componentes aversivos significativos na vida da pessoa dos quais ela, sozinha, não consegue se livrar. Neste caso a própria pessoa discrimina que precisa de ajuda. Há situações em que a pessoa se torna aversiva para o grupo com o qual convive. Neste caso, as pessoas que fazem parte do seu grupo social definem que há a necessidade de psicoterapia. Para se perceber a necessidade de ajuda psicológica, as pessoas do grupo social ao qual o indivíduo pertence devem ficar atentas a mudanças no comportamento. Diante de perdas significativas, como morte de um ente querido ou a perda do emprego, a pessoa pode deixar de fazer coisas que geralmente fazia e com isso pára de produzir reforçadores. Em outros contextos, como ambiente de trabalho, escolar ou familiar, a pessoa pode não estar conseguindo interagir de forma a produzir aquilo que deseja ou não está tendo sucesso para se esquivar de situações aversivas. Diante da sugestão da psicoterapia feita pelo seu grupo social, a pessoa pode ou não concordar e fazer a opção de procurar ou não um psicólogo. A psicoterapia é um processo em que psicoterapeuta e cliente se influenciam. O psicólogo participa ativamente do processo de desenvolvimento da pessoa, através da interação entre ele e seu cliente. A Terapia por Contingências de Reforçamento tem como objetivo geral criar novas condições de desenvolvimento pessoal, através de um enriquecimento de repertórios para que o sofrimento diminua e para que a pessoa passe a viver melhor.


Priscila Ribeiro

Priscila Maria de Lima Ribeiro
CRP: 06/83052.
Especialista em Terapia por Contingências de Reforçamento- ITCR Campinas

Jornal - Sinal Verde
Como a análise do comportamento trabalha com o Transtorno Obsessivo Compulsivo? Qual a eficácia do tratamento? Existe uma abordagem teórica que proponha resultados mais eficazes? (Pergunta enviada pela estudante de psicologia, Patrícia Jonas- Salvador-BA)

O Transtorno Obsessivo Compulsivo (usualmente identificado pela sigla TOC) é, tradicionalmente, conceituado como um transtorno no qual ocorrem manifestações de obsessões e compulsões. As obsessões são imagens, idéias, impulsos ou pensamentos repetitivos (visuais ou auditivos) que produzem ansiedade e desconforto para os indivíduos. As compulsões, por sua vez, são respostas (ações) repetitivas e/ou estereotipadas emitidas para prevenir ou eliminar as obsessões e a ansiedade. Vale ressaltar que nem todo pensamento ou ação repetitivos podem ser classificados como obsessivo-compulsivos. Às vezes nós podemos realizar alguma superstição ou mesmo um ritual, mas esses comportamentos serão considerados como compulsivos apenas se ocuparem um tempo considerável em nossas rotinas, ocasionando, conseqüentemente, um grau de sofrimento ou impedimento para realização de outras atividades, ou seja, se produzirem um comprometimento social. A ciência conseguiu esclarecer que o TOC é um problema multideterminado, ou seja, há uma predisposição genética (componente biológico) para o desenvolvimento do TOC, além das influências ambientais e culturais, as quais também têm grande relevância no seu desenvolvimento ou mesmo na sua manutenção. Reconhecer tais determinantes do TOC é importante para o encaminhamento adequado a tratamentos psicoterapêuticos (com psicólogos) e farmacológicos (com psiquiatras). Análise do Comportamento prioriza as variáveis ambientais como condições necessárias para a instalação e manutenção de qualquer comportamento. Sendo assim, para a terapia comportamental, há necessidade de o terapeuta analisar e intervir a partir da história de vida do indivíduo, identificando as contingências passadas e atuais para compreender e definir as variáveis que controlam e mantém os padrões comportamentais indesejados atuais. Tendo essa análise como referência, faz-se importante a inclusão de várias práticas psicoterapêuticas, dentre as quais a mais sistematicamente usada e avaliada é a técnica de exposição com prevenção de respostas, para um tratamento mais eficaz. E sendo assim, o terapeuta terá como meta não apenas a redução da freqüência e da intensidade de respostas obsessivo-compulsivas, mas também uma compreensão da função de tais comportamentos para esse indivíduo. A análise e alteração de padrões comportamentais, que provavelmente vêm trazendo sofrimento ao cliente e às pessoas relacionadas a ele, são primordiais para uma maior extensão dos resultados alcançados com a psicoterapia e para melhorar sua qualidade de vida. O portador de TOC não sofre apenas pela presença das obsessões e compulsões debilitantes, mas uma ampla gama de comportamentos de seu repertório social, profissional, afetivo etc. está concomitantemente comprometida e o tratamento deve igualmente privilegiar estes aspectos de desenvolvimento da pessoa. Em suma, a terapia comportamental associada à farmacoterapia é considerada hoje a primeira opção de tratamento para o TOC. Felizmente, na maioria das vezes, essa associação psicoterapia-farmacologia consegue atenuar ou eliminar completamente os sintomas obsessivo -compulsivos.


Tatiana Chagas Correia

Tatiana Lance Duarte
CRP:06/64105
Especialista em Terapia por Contingência de Reforçamento - ITCR Campinas

Jornal - Sinal Verde
NOVOS DVDs À VENDA

Ver na seção "Produtos à Venda" do site Clique aqui para maiores informações

Jornal - Sinal Verde
PARA PENSAR

Esse é o nome da nova seção do site ITCR - Terapia por Contingencias de Reforçamento.Clique aqui para maiores informações

Jornal - Sinal Verde

"Uma formulação behaviorista não ignora os sentimentos; simplesmente muda a ênfase do sentimento para aquilo que é sentido."

(Skinner, 1959, Cumulative Record: a selection of papers, p.284)

Jornal - Sinal Verde
Curso de Especialização - Turma 2009

Inscrições abertas a partir de 01/10/2008: www.terapiaporcontingencias.com.br

Jornal - Sinal Verde
Encontros para Pais de Crianças em Idade Escolar

Informações no site: www.terapiaporcontingencias.com.br

Jornal - Sinal Verde
VII JAC (Jornada de Análise do Comportamento) - Universidade Federal de São Carlos (Campus de São Carlos)

1 e 2 de novembro de 2008
Informações no site www.jac.ufscar.br

Jornal - Sinal Verde

Quaisquer perguntas, dúvidas, sugestões, críticas favor preencher os campos abaixo:

Nome
Cidade
Estado
Telefone com DDD
Celular com DDD
E-mail
Identificação Pessoal

Psicologo

Estudante de psicologia

Outros

Comentários e sugestões
Você autoriza a divulgação de seu nome neste site, junto com a reposta a sua pergunta? SIMNÃO



Jornal - Sinal Verde
Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento

Rua Josefina Sarmento, 395, Cambuí - Campinas - SP
Fones: (19) 3294-1960/ 3294-8544
Clique aqui para entrar em contato

Página Inicial | Edições Anteriores | Voltar | Subir | Fechar

Jornal - Sinal Verde
Copyright © terapiaporcontingencias.com.br | Todos os direitos reservados.